Açúcar

AÇÚCAR – produto final da usina de açúcar, constituído por grânulos de sacarose cristalizada, envolvidos ou não por uma película de mel.

AÇÚCARES FERMENTESCÍVEIS – açúcares passíveis de sofrer fermentação alcoólica.

AÇÚCARES REDUTORES – açúcares que reduzem o íon cúprico para óxido cuproso, do licor Fehling. Em sua grande maioria, esses açúcares são monossacarídeos, em especial a glucose e a fruto se, presentes tanto na cana-de-açúcar e no açúcar comercial, como nos produtos intermediários e fluidos do processo na indústria açucareira e alcooleira.

AÇÚCARES REDUTORES TOTAIS (ART) – teor de açúcares redutores de um produto açucarado, do qual toda a sacarose foi desdobrada em glucose e frutose.

AÇÚCAR CRISTAL – açúcares brancos, fabricados a partir de um caldo com adição de sulfito. Os cristais são lavados na centrífuga e secos em secador.

São divididos em:

 a) cristal standard – de menor qualidade e utilizado principalmente como matéria-prima em refinarias de açúcar;

 b) cristal superior – destinado ao consumo humano no mercado interno;

 c) cristal especial – fabricado para o mercado externo.

AÇÚCAR DEMERARA – na sua fabricação não foi adicionado sulfito ao caldo e a massa cozida não sofreu lavagem na centrífuga, conservando intacta a película de mel que envolve os seus cristais. É utilizado como matéria-prima nas refinarias de açúcar.

AÇÚCAR LÍQUIDO – comercializado em forma de xarope não cristalizado.

AÇÚCAR MASCAVO – o caldo de cana é evaporado em tachos abertos e cristalizados por choque e não apresenta cristais isolados, mas conglomerados de cor marrom. Na sua fabricação não ocorre a separação do mel.

AÇÚCAR REFINADO – resultante da operação de refino. Classificado em duas subcategorias: refinado amorfo, cristalizado por choque nas batedeiras, não é composto por grânulos de cristais isolados mas por pequenos aglomerados; refinado granulado, produzido por cristalização em cozedor a vácuo, com alto índice de cristais isolados e perfeitos.

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2019/2020

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado505.995220.80469.15164.490860.440

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2018/2019

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado465.256164.77938.56964.195732.799

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2017/2018

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado406.410223.09717.177110.385757.069

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2016/2017

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado496.346332.76520.263157.5181.006.892

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2015/2016

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado461.565241.25814.501102.203819.527

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2014/2015

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado486.731323.26216.342231.0651.057.400

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2013/2014

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado457.435370.88910.016191.2901.029.630

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2012/2013

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado472.723356.37313.276329.4111.171.783

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2011/2012

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado555.072382.62623.878516.3391.477.915

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2010/2011

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado491.092401.76721.174451.9311.365.964

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2009/2010

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado543.455480.96014.968473.1651.512.548

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2008/2009

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado636.527538.0931.597353.5351.529.752

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2007/2008

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado666.933640.8415.706369.9681.683.448

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2006/2007

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado498.767587.38630.997251.9551.369.105

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2005/2006

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado359.856440.95826.126388.4791.215.419

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2004/2005

Produção
 RefinadoCristalDemeraraVHPTotal
UnidadeTonTonTonTonTon
Total do Estado433.248501.39180.582448.4311.463.652

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2003/2004

Produção
 RefinadoCristalDemeraraTotal
UnidadeSaco 50kgSaco 50kgSaco 50kgSaco 50kg
Total do Estado7.812.75511.028.5069.840.60428.681.865

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2002/2003

Produção
 RefinadoCristalDemeraraTotal
UnidadeSaco 50kgSaco 50kgSaco 50kgSaco 50kg
Total do Estado7.402.6979.798.6507.158.29524.359.642

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2001/2002

Produção
 RefinadoCristalDemeraraTotal
UnidadeSaco 50kgSaco 50kgSaco 50kgSaco 50kg
Total do Estado4.892.9429.921.4417.182.17621.996.559

POSIÇÃO FINAL – SAFRA 2000/2001

Produção
 RefinadoCristalDemeraraTotal
UnidadeSaco 50kgSaco 50kgSaco 50kgSaco 50kg
Total do Estado5.186.9448.246.2998.600.90722.034.150

AS ESTATÍSTICAS DA PRODUÇÃO MUNDIAL Safra 1999/00 (Set/Ago)

121 países, responsáveis pela produção de 135 milhões de toneladas (raw value)

– Açúcar de beterraba: 37 milhões de toneladas, 27%

– Açúcar de cana: 98 milhões de toneladas, 73%

O crescimento de 18% na produção mundial de açúcar na década de 90 refletiu o crescimento da produção de açúcar de cana, do qual o Brasil foi responsável por 52%.

A PRODUÇÃO DE AÇÚCAR DE CANA

A EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO E DO CONSUMO MUNDIAL DE AÇÚCAR

RELAÇÃO ESTOQUE/CONSUMO E PREÇOS MUNDIAIS DO AÇÚCAR

BALANÇO DA PRODUÇÃO E DO CONSUMO MUNDIAL DE AÇÚCAR

– A produção tem superado o consumo nas últimas 5 safras mundiais.
– O balanço da safra 1999/00 também indica excedentes de produção sobre o consumo.
Crescimento da relação estoque-consumo, com impactos negativos nos preços mundiais


CONSUMO PER CAPTA (Kg/hab.)

CEE……………………………………………………………60,0 Kg.

Brasil………………………………………………………….53,0 Kg.

México………………………………………………………..46,0 Kg.

EUA……………………………………………………………33,0 Kg.

Rússia……………………………………………………….33,0 Kg.

Japão………………………………………………………….21,0 Kg.

China………………………………………………………….07,0 Kg.


O PERFIL DAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS
Safra 1998/99

A EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS DE AÇÚCAR

O MERCADO DOMÉSTICO

O mercado interno de açúcar é pulverizado entre milhares de compradores (atacadistas, varejistas e indústrias) que adquirem o produto diretamente das usinas (cerca de 300 em todo país).

A produção de açúcar para consumo direto, em Pernambuco está voltada para o açúcar cristal de diversos tipos (standard, superior, especial e especial-extra), enquanto o açúcar refinado granulado é destinado à exportação.

O açúcar no mercado interno também é negociado através da BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS e de mecanismos como de financiamento como os “Contratos a Termo de Açúcar” e “Contratos Futuros de Açúcar Cristal Especial”.

O MERCADO INTERNACIONAL

O mercado internacional de açúcar gira em torno das “Bolsas de Commodities”, de Nova York e de Londres onde são cotados os preços de base para as grandes negociações.

A Bolsa de New York opera com o açúcar tipo “demerara” (destinado às refinarias) através do Contrato nº 14.

O Contrato nº 14, também é negociado na Bolsa de New York e é exclusivo para o mercado preferencial americano.

A Bolsa de Londres opera com o açúcar refinado através do Contrato nº 5, segundo codificações definidas, como é o caso do calendário para a safra 2001/2002:

COTAÇÃO DE AÇÚCAR – MERCADO INTERNACIONAL

Contrato 11 – NY (Demerara)Contrato 14 – NY (Demerara)Contrato 5 – Londres (Refinado)
SBK1 – maio/2001SEK1 – maio/2001ABK1 – maio/2001
SBV1- outubro/2001SEN1 – julho/2001ABQ1 – agosto/2001
SBH2 – março/2002SEX1 – novembro/2001ABV1 – outubro/2001
SBK2 – maio/2002SEF2 – janeiro/2002ABH2 – março/2002
SBN2 – julho/2002SEH2 – março/2002ABK2 – maio/2002
 SEK2 – maio/2002 

(*)
SB – Contrato 11-NovaYork

SE – Contrato 14-Nova York

AB – Contrato 5-Londres


(**)
F – Janeiro

G – Fevereiro

H – Março

J – Abril

K – Maio

M – Junho

N – Julho

Q – Agosto

U – Setembro

V – Outubro

X – Novembro

Z – Dezembro

 
 

TERMINAL AÇUCAREIRO DO RECIFE


INSTALAÇÕES FÍSICAS

Área total ………………………………..43.142 m²

Área construída …………………………43.142 m²

Área do armazém ……………………….43.142 m²

Capacidade estática…………………….43.142 m²


INVESTIMENTOS EM RECUPERAÇÃO FÍSICA REALIZADOS

– Implantação do sistema de pesagem eletrônica, possibilitando informatizar o controle de peso e agilizando em 40% tais processos.

– Ampliação do sistema de recepção de açúcar, resultando em menos custo de transporte, além de melhorar em 30% a recepção e o tráfego no Terminal.

– Reparos nas instalações elétricas, mecânicas e estruturais do sistema de embarque de açúcar.

– Recuperação do abatimento no pavimento da orla do cais.

– Pintura geral de todas as dependências.


RECORDES DE EXPORTAÇÃO TERMINAL AÇUCAREIRO

Safra 93/94 ……………………………. 245.078.400 Kg

Safra 94/95 ……………………………. 472.093.220 Kg

Safra 95/96 ……………………………. 495.316.071 Kg

Safra 96/97 ……………………………. 376.913.124 Kg

Safra 97/98 ……………………………. 614.306.319 Kg


VELOCIDADE DE EMBARQUE

A automação possibilita o embarque de aproximadamente mil toneladas de açúcar por hora, com capacidade de abastecer um navio de 15 mil toneladas em menos de 24 horas.


AUTOMAÇÃO

– Inaugurado em 1972, o Terminal Açucareiro do Recife foi o primeiro totalmente automatizado do País.

– A automação lhe confere eficiência e rapidez de embarque.

– Os navios que antes levavam, em média, 20 dias para serem carregados, passaram a ser embarcados em menos de 24 horas.


REDUÇÃO DE TARIFAS

– Redução de 75% nas tarifas para manutenção, armazenagem, embarque e análise de açúcar, incluindo seguro contra incêndio.

– As taxas caíram de U$ 8.00 para menos de U$ 3.00


PRODUÇÃO PERNAMBUCANA DE AÇÚCAR

Safra 93/94 ………. 955.365 sacos de 50 Kg

Safra 94/95 …….. 1.345.200 sacos de 50 Kg

Safra 95/96 ………1.357.151 sacos de 50 Kg

Safra 96/97 …….. 1.222.838 sacos de 50 Kg

Safra 97/98 …….. 1.238.923 sacos de 50 Kg


EXPORTAÇÕES PELO PORTO DO RECIFE POR PAÍS IMPORTADOR (Safra 97/98)

Nigéria …………………… 142.000 t

Gana ………………………… 65.000 t

Chile ………………………… 16.000 t

Somália …………………… 14.300 t

Índia ………………………… 14.000 t

Turquia ……………………. 14.000 t

China ………………………. 14.000 t


EXPORTAÇÕES PELO TERMINAL POR PAÍS IMPORTADOR (Safra 97/98)

Rússia ……………………… 434.556 t

EUA …………………………….. 61.000 t

Argélia ………………………… 30.800 t

Japão …………………………. 21.000 t

Marrocos ……………………. 14.000 t

Outros ………………………… 52.700 t

Rua Cais da Alfândega, 130, Bairro do Recife

CEP: 50030-100 – Recife/PE

Fone: (81) 2137.7622

Email: sindacucar@sindacucar.com.br

CNPJ: 11.012.986/0001-36

 

 

 

 

Desenvolvido pela